quarta-feira, 26 de março de 2014

CONGREGAÇÃO JESUS E MARIA COMEMORA 371 ANOS DE FUNDAÇÃO


A congregação Jesus e Maria comemorou, no Brasil,na Casa de Formação dos “Eudistas”, no bairro Luciano Cavalcante, com uma celebração eucarística, presidida pelo seu superior, padre Amado Ranega, os seus 371 anos de fundação.
 

Além dos sacerdotes “eudistas”, participaram da celebração 10 novos seminaristas, que foram apresentados pelo padre Luís Gabriel Mendoza, associados e amigos da Congregação, fundada por São João Eudes.
Na sua homilia, o padre Amado agradeceu a Deus pelo seu projeto executado por São João Eudes, com um grupo de amigos sacerdotes.

No final, teve um pequeno convívio dos padres com os presentes.
 

domingo, 23 de março de 2014

CAMINHADA PENITENCIAL DUROU DUAS HORAS


Foi realizada nesta manhã – das 7 às 9 horas – a Caminhada Penitencial, que saiu da Igreja de Nossa Senhora da Saúde indo até à Catedral, tendo à frente dom José Antonio A. Tosi Marques, arcebispo de Fortaleza, que foi o primeiro a colocar a cruz nos ombros, depois passou para os padres, seminaristas e terminou com os leigos.


De acordo com a informação dos organizadores do evento, a Caminhada deste ano levou um número infinitamente superior ao de fiéis do ano passado, que ocuparam grande parte da Praça da Sé, onde foi realizada uma celebração eucarística, presidida por dom José Antonio, seus bispos auxiliares – dom Vasconcelos e dom Rosalvo – e algumas dezenas de padres.




















HOMILIA

Dom José Antonio iniciou a sua homilia exaltando a cruz, na qual Jesus morreu para salvar o mundo e perguntou a todos se durante a Caminhada eles  haviam bebido água para matar a sede e  responderam que “sim”, “mas muita gente bebeu da água da reconciliação, se confessando. Os que não confessaram durante a Caminhada pode se reconciliar com Deus durante o período da Quaresma, que tem a duração de 40 dias”.  


sábado, 22 de março de 2014

DISTRIBUIÇÃO DE CESTAS BÁSICAS DO SERVIÇO DA CARIDADE EUDISTA


Na tarde deste sábado, o  Serviço da Caridade dos  Associados Eudistas,  iniciou a distribuição de cestas básicas às famílias carentes da Paróquia de São João Eudes , já cadastradas e visitadas  antecipadamente.

 
 

A entrega  foi feita, a partir das 15 horas, na Igreja Matriz (Menino Deus), no bairro Luciano Cavalcante, próximo à Câmara de Vereadores de Fortaleza, com atividades de evangelização e uma partilha fraterna, acompanhada de um lanche. 
 
 

PADRE CRISTIANO RETORNA À PARÓQUIA SÃO JOÃO EUDES




Depois de um ano servindo na Paróquia Nossa Senhora Aparecida, em Salvador, que tem como pároco o padre cearense Marcos Studart, o padre Cristiano Henrique retorna à Paróquia São João Eudes, onde foi recebido com grande alegria pelos paroquianos.


O seu retorno como celebrante aconteceu na missa das 19 horas, em honra a São José, na Capela Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, que fica nas proximidades do Shopping Iguatemi, que recebeu muitos devotos do santo, como também amigos daquele sacerdote, que é muito querido. Foram muitos os abraços. 
O padre Cristiano encerrou a celebração eucarística dando uma bênção especial aos "Josés", que participaram da Missa.




quarta-feira, 19 de março de 2014

São José

 

Celebra-se hoje, 19 de março, a Solenidade de São José. Neste dia, a Igreja, espalhada pelo mundo todo, recorda solenemente a santidade de vida do seu patrono.
Esposo da Virgem Maria, modelo de pai e esposo, protetor da Sagrada Família, São José foi escolhido por Deus para ser o patrono de toda a Igreja de Cristo.
Seu nome, em hebraico, significa “Deus cumula de bens”.
No Evangelho de São Mateus vemos como foi dramático para esse grande homem de Deus acolher, misteriosa, dócil e obedientemente, a mais suprema das escolhas: ser pai adotivo de Nosso Senhor Jesus Cristo, o Messias, o Salvador do mundo.
“Quando acordou, José fez conforme o anjo do Senhor tinha mandado e acolheu sua esposa” (Mt 1,24).
O Verbo Divino quis viver em família. Hoje, deparamos com o testemunho de José, “Deus cumula de bens”; mas, para que este bem maior penetrasse na sua vida e história, ele precisou renunciar a si mesmo e, na fé, obedecer a Deus acolhendo a Virgem Maria.
Da mesma forma, hoje São José acolhe a Igreja, da qual é o patrono. E é grande intercessor de todos nós.
Que assim como ele, possamos ser dóceis à Palavra e à vontade do Senhor.
São José, rogai por nós!


Fonte:http://santo.cancaonova.com/

terça-feira, 11 de março de 2014

PARÓQUIA SÃO JOÃO EUDES PROMOVE PALESTRA SOBRE A CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2014



A Paróquia São João Eudes, no bairro Luciano Cavalcante, dando prosseguimento à sua programação para a Quaresma,  que começou no último fim de semana  com celebrações eucarísticas em suas cinco capelas – Menino Deus, Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, Santa Luzia, Divina Misericórdia e Nossa Senhora da Libertação – promoveu ontem, na Casa de Formação dos “Eudistas"  , uma palestra sobre a Campanha da Fraternidade 2014, que tem como tema: “Fraternidade e Tráfico Humano” e como lema: “ É Para a Liberdade que Cristo nos Libertou (Gl 5,1) ministrada pelo diácono Gilson, que iniciou a sua palestra invocando o Espírito Santo, através de um cântico. Ele foi apresentado aos presentes pelo padre Luís Gabriel Mendoza, pároco de São João Eudes.

Na sua pregação, o diácono Gilson mostrou o trabalho  que vem realizando na sua comunidade e em paróquias lutando para diminuir a pobreza em nossa Capital e nos pede para que entremos também  nessa luta contra o tráfico humano, especialmente de mulheres e crianças.
O diácono José Gilson e Silva aproveitou para mostrar uma pesquisa feita pela Organização Internacional do Trabalho, divulgada em junho de 2012 e que faz parte do trabalho da Campanha que afirma que o número de pessoas atingidas pelo tráfico humano ultrapassa a 20 milhões e que, quase 2 milhões são de países da América Latina e Caribe. Essas pessoas são usadas em trabalhos forçados, exploração sexual e neste caso grande parte das pessoas é levada para fora do País.
A explanação feita pelo diácono Gilson chocou a todos, porque muitos ouviam falar sobre tráfico humano e não sabiam, por exemplo, que crianças traficadas têm os seus órgãos retirados para serem vendidos por traficantes, ou exploradas por pedófilos.  
 
 


CARTA DO PAPA
O palestrante ilustrou a sua pregação com uma carta que o papa Francisco enviou para os brasileiros.
Leia na íntegra:

MENSAGEM DO PAPA FRANCISCO
AOS FIÉIS BRASILEIROS
POR OCASIÃO DA CAMPANHA DA FRATERNIDADE DE 2014
Quarta-feira, 05 de março de 2014


Queridos brasileiros


Sempre lembrado do coração grande e da acolhida calorosa com que me estenderam os braços na visita de fins de julho passado, peço agora licença para ser companheiro em seu caminho quaresmal, que se inicia no dia 5 de março, falando-lhes da Campanha da Fraternidade que lhes recorda a vitória da Páscoa: «É para a liberdade que Cristo nos libertou» (Gal 5,1). Com a sua Paixão, Morte e Ressurreição, Jesus Cristo libertou a humanidade das amarras da morte e do pecado. Durante os próximos quarenta dias, procuraremos conscientizar-nos mais e mais da misericórdia infinita que Deus usou para conosco e logo nos pediu para fazê-la transbordar para os outros, sobretudo aqueles que mais sofrem: «Estás livre! Vai e ajuda os teus irmãos a serem livres!». Neste sentido, visando mobilizar os cristãos e pessoas de boa vontade da sociedade brasileira para uma chaga social qual é o tráfico de seres humanos, os nossos irmãos bispos do Brasil lhes propõem este ano o tema “Fraternidade e Tráfico Humano”.


Não é possível ficar impassível, sabendo que existem seres humanos tratados como mercadoria! Pense-se em adoções de criança para remoção de órgãos, em mulheres enganadas e obrigadas a prostituir-se, em trabalhadores explorados, sem direitos nem voz, etc. Isso é tráfico humano! «A este nível, há necessidade de um profundo exame de consciência: de fato, quantas vezes toleramos que um ser humano seja considerado como um objeto, exposto para vender um produto ou para satisfazer desejos imorais? A pessoa humana não se deveria vender e comprar como uma mercadoria. Quem a usa e explora, mesmo indiretamente, torna-se cúmplice desta prepotência» (Discurso aos novos Embaixadores, 12 de dezembro de 2013). Se, depois, descemos ao nível familiar e entramos em casa, quantas vezes aí reina a prepotência! Pais que escravizam os filhos, filhos que escravizam os pais; esposos que, esquecidos de seu chamado para o dom, se exploram como se fossem um produto descartável, que se usa e se joga fora; idosos sem lugar, crianças e adolescentes sem voz. Quantos ataques aos valores basilares do tecido familiar e da própria convivência social! Sim, há necessidade de um profundo exame de consciência. Como se pode anunciar a alegria da Páscoa, sem se solidarizar com aqueles cuja liberdade aqui na terra é negada?


Queridos brasileiros, tenhamos a certeza: Eu só ofendo a dignidade humana do outro, porque antes vendi a minha. A troco de quê? De poder, de fama, de bens materiais… E isso – pasmem! – a troco da minha dignidade de filho e filha de Deus, resgatada a preço do sangue de Cristo na Cruz e garantida pelo Espírito Santo que clama dentro de nós: «Abbá, Pai!» (cf. Gal 4,6). A dignidade humana é igual em todo o ser humano: quando piso-a no outro, estou pisando a minha. Foi para a liberdade que Cristo nos libertou! No ano passado, quando estive junto de vocês afirmei que o povo brasileiro dava uma grande lição de solidariedade; certo disso, faço votos de que os cristãos e as pessoas de boa vontade possam comprometer-se para que mais nenhum homem ou mulher, jovem ou criança, seja vítima do tráfico humano! E a base mais eficaz para restabelecer a dignidade humana é anunciar o Evangelho de Cristo nos campos e nas cidades, pois Jesus quer derramar por todo o lado vida em abundância (cf. Evangelii gaudium, 75).


Com estes auspícios, invoco a proteção do Altíssimo sobre todos os brasileiros, para que a vida nova em Cristo lhes alcance, na mais perfeita liberdade dos filhos de Deus (cf. Rm 8,21), despertando em cada coração sentimentos de ternura e compaixão por seu irmão e irmã necessitados de liberdade, enquanto de bom grado lhes envio uma propiciadora Bênção Apostólica.


Fonte: Acidigital


Gilson finalizou a sua pregação com a Oração da Campanha da Fraternidade

Ó Deus, sempre ouvis o clamor do vosso povo
e vos compadeceis dos oprimidos e escravizados.
Fazei que experimentem a libertação da cruz
e a ressurreição de Jesus.

Nós vos pedimos pelos que sofrem
o flagelo do tráfico humano.
Convertei-nos pela força do vosso Espírito,
e tornai-nos sensíveis às dores destes nossos irmãos.

Comprometidos na superação deste mal,
vivamos como vossos filhos e filhas,
na liberdade e na paz.
Por Cristo nosso Senhor.
AMÉM!

E a noite de palestra chegou ao seu final com o canto da Campanha

É para a liberdade que Cristo nos libertou,
Jesus libertador!
É para a liberdade que Cristo nos libertou! (Gl 5,1)

1. Deus não quer ver seus filhos sendo escravizados,
À semelhança e à sua imagem, os criou. (Cf. Gn 1,27)
Na cruz de Cristo, foram todos resgatados
Pra liberdade é que Jesus nos libertou! (Gl 5,1)

2. Há tanta gente que, ao buscar nova alvorada,
Sai pela estrada a procurar libertação;
Mas como é triste ver, ao fim da caminhada,
Que foi levada a trabalhar na escravidão!

3. E quantos chegam a perder a dignidade,
Sua cidade, a família, o seu valor.
Falta justiça, falta mais fraternidade
Pra libertá-los para a vida e para o amor!

4. Que abracemos a certeza da esperança, (Cf. Hb 6,11)
Que já nos lança, nessa marcha em comunhão.
Pra novo céu e nova terra da aliança, (Cf. Ap 21,1)

De liberdade e vida plena para o irmão… (Cf. Jo 10,10)
 
 
 

O LANÇAMENTO DA CAMPANHA DA FRATERNIDADE NA PARÓQUIA SÃO JOÃO EUDES




A Paróquia São João Eudes lançou,  durante todo este final de semana, a partir das 17.30 horas,  de sábado,a Campanha da  Fraternidade,que tem como tema neste ano: “”Fraternidade e Tráfico Humano” e como lema: “É para a liberdade que Cristo nos libertou” (Gl5,1).
No sábado, nas capelas da Divina Misericórdia e N.Sra.da Libertação e, no domingo, na  parte da manhã, na Capela Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, com uma celebração presidida pelo  Monsenhor Idelfonso. À noite, nas outras capelas: Santa Luzia  e Menino Deus.  

Na Igreja Matriz, que estava com suas dependências completamente tomadas por paroquianos, após a saudação inicial que inicia a celebração, houve uma apresentação de quatro pessoas acorrentadas, que se posicionaram de costas para o altar e quando a comentarista terminou a leitura do comentário sobre a Campanha da Fraternidade  eles levantaram  os braços, quebraram as correntes e foram para os seus lugares. Antes, uma jovem entrou na Capela levando um banner da Campanha, que foi colocada na frente do ambão (altar das leituras). Depois, o padre Gabriel iniciou o Ato Penitencial.

No comentário que abriu a celebração do 1º Domingo da Quaresma, o enfoque foi dado ao Evangelho que fala das três tentações de Cristo. dizendo que “as tentações são uma realidade nas nossas vidas e lutar contra elas exige de nós um grande combate. Mas Jesus hoje, no Evangelho nos ensina a vencer as tentações que levam às estruturas de morte e de pecado pela força da oração e do jejum. Ao triunfar sobre o demônio, ele nos dá a garantia de que podemos vencê-las à medida que estamos unidos a Ele pela sua Palavra que é Luz e Sabedoria para o nosso caminhar e pela Eucaristia, alimento onde o próprio Cristo vem nos dar a sua vida para que possamos colaborar na construção do seu Reino de amor, de paz, de liberdade, onde todas tenham condições dignas para viver, livres das escravidões que o mundo nos oferece onde somos deuses de nós mesmos, mas vazios e incapazes de dar e receber o amor que Deus nos oferece”.

HOMILIA
Na sua homilia, o padre Luís Gabriel convidou a todos a refletirem sobre o tema da Campanha da Fraternidade, que nos chama a atenção para tráfico de seres humanos, que atinge as nossas e famílias do mundo inteiro. Em seguida, pediu a todos que fechassem os olhos e voltou a convidar a todos, mas para uma oração, que teve a duração de cinco minutos.






   
 
 

segunda-feira, 10 de março de 2014

PARÓQUIA SÃO JOÃO EUDES ABRE A CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2014



Com uma celebração presidida pelo monsenhor Idelfonso, foi aberta nesta manhã, na Capela Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, no bairro Guararapes, nas proximidades do Shoppping Iguatemi, a Campanha da Fraternidade 2014, com a comentarista dizendo que as tentações são uma realidade nas nossas vidas e lutar contra elas exige de nós um grande combate. Mas Jesus hoje, no Evangelho nos ensina a vencer as tentações que levam às estruturas de morte e de pecado pela força da oração  e do jejum. Ao triunfar sobre o demônio, eles nos dá garantia de que podemos vencê-las à medida que estamos unidos a Ele pela sua Palavra que é Luz e Sabedoria para o nosso caminhar e pela Eucaristia, alimento onde o próprio Cristo vem nos dar a sua vida para que possamos colaborar na construção do seu Reino: de amor, de paz, de liberdade, onde todos tenham condições dignas para viver livres das escravidões que o mundo nos oferece onde somos deuses de nós mesmo, mas vazios e incapazes de dar e receber o amor que Deus nos oferece.
 

À noite, às 19 horas, o pároco Luís Gabriel preside outra celebração de abertura da Campanha da Capela Menino Deus, bairro Luciano Cavalcante, nas proximidades da Câmara Municipal de Fortaleza.
REFLEXÃO
No Primeiro Domingo da Quaresma a Igreja no Brasil nos convida a  refletir  na Campanha da Fraternidade , sobre o tráfico de seres humanos, que assola a nossa sociedade e atinge as nossas famílias.
O tráfico humano nas suas diversas modalidades atinge crianças, mulheres, homens, de todas as idades e está  associado  a falta de oportunidades de trabalho e renda nas nossas cidades: crianças compradas e vendidas para doação ilegal ou ao mercado de órgãos, homens e mulheres iludidos com promessas  e em seguida vendidos à 

prostituição ou submetidos  a trabalhos realizados, em condições iguais à escravidão, em propriedades rurais e em confecções. Uma estrutura gigantesca, que movimenta  por ano 32 bilhões de dólares, e só perde para o tráfico de  armas e drogas.  Em todo o mundo, são 20,9 milhões de pessoas atingidas pelo tráfico humano, sendo 1,8 milhão nos países da América Latina e do Caribe.
Envolve uma estrutura organizada, utilizando os aliciadores, que se aproximam de pessoas ou famílias, com falsas promessas,  funcionando muitas vezes em rede internacional, utilizando uma fachada legal, inclusive para lavagem de dinheiro, com um serviço de repressão e violência, sobre os traficados, bem como corrupção de corpos oficiais de segurança.
 

As pessoas envolvidas pelo tráfico são pessoas enganadas pelas falsas promessas, privadas de sua liberdade, isoladas de suas famílias e de amizades,  numa situação de impotência e presas a uma dívida que não têm condições de pagar e permanentemente convivendo com ameaças de morte e de violência
Como Igreja e batizados devemos lutar contra todo tipo de violência contra o nosso irmão, contra nossas famílias, que desfigura a imagem de Deus em seus rostos e retirando a sua dignidade de filhos e filhas de Deus e contra as estruturas  de pecado, de morte e de escravidão, que infelizmente ainda existem em nossa sociedade mergulhada no egoísmo, na ganância, na violência, nas disparidades econômicas  do nosso país e na indiferença e no esquecimento de Deus.
 












Fonte:http://blogdasagradafamilia.blogspot.com.br/2014/03/paroquia-sao-joao-eudes-abre-campanha.html

sexta-feira, 7 de março de 2014

O que é a Quaresma?


A Quaresma é o tempo litúrgico de conversão, que a Igreja marca para nos preparar para a grande festa da Páscoa. É tempo para nos arrepender de nossos pecados e de mudar algo de nós para sermos melhores e poder viver mais próximos de Cristo.

A Quaresma dura 40 dias; começa na Quarta-feira de Cinzas e termina no Domingo de Ramos. Ao longo deste tempo, sobretudo na liturgia do domingo, fazemos um esfoço para recuperar o ritmo e estilo de verdadeiros fiéis que devemos viver como filhos de Deus.

A cor litúrgica deste tempo é o roxo, que significa luto e penitência. É um tempo de reflexão, de penitência, de conversão espiritual; tempo e preparação para o mistério pascal.

Na Quaresma, Cristo nos convida a mudar de vida. A Igreja nos convida a viver a Quaresma como um caminho a Jesus Cristo, escutando a Palavra de Deus, orando, compartilhando com o próximo e praticando boas obras. Nos convida a viver uma série de atitudes cristãs que nos ajudam a parecer mais com Jesus Cristo, já que por ação do pecado, nos afastamos mais de Deus.

Por isso, a Quaresma é o tempo do perdão e da reconciliação fraterna. Cada dia, durante a vida, devemos retirar de nossos corações o ódio, o rancor, a inveja, os zelos que se opõem a nosso amor a Deus e aos irmãos. Na Quaresma, aprendemos a conhecer e apreciar a Cruz de Jesus. Com isto aprendemos também a tomar nossa cruz com alegria para alcançar a glória da ressurreição.

40 dias

A duração da Quaresma está baseada no símbolo do número quarenta na Bíblia. Nesta, é falada dos quarenta dias do dilúvio, dos quarenta anos de peregrinação do povo judeu pelo deserto, dos quarenta dias e Moisés e de Elias na montanha, dos quarenta dias que Jesus passou no deserto antes de começar sua vida pública, dos 400 anos que durou o exílio dos judeus no Egito.

Na Bíblia, o número quatro simboliza o universo material, seguido de zeros significa o tempo de nossa vida na terra, seguido de provações e dificuldades.

A prática da Quaresma data desde o século IV, quando se dá a tendência a constituí-la em tempo de penitência e de renovação para toda a Igreja, com a prática do jejum e da abstinência. Conservada com bastante vigor, ao menos em um princípio, nas Igrejas do oriente, a prática penitencial da Quaresma tem sido cada vez mais abrandada no ocidente, mas deve-se observar um espírito penitencial e de conversão.




Fonte:http://www.catequisar.com.br/texto/materia/celebracoes/quaresma/15.htm